Cia. Rústica de Teatro (Porto Alegre/RS) em São Paulo:


Foto Clube do Fracasso / Alex Ramirez

 Clube do Fracasso, no Parlapatões, sábados, 21h, e domingos, 20h, entre 23 e 31 de julho; o  Cabaret da Glória, no mesmo espaço, na praça Rosevelt, dias 23 e 30, às 24h; e a intervenção urbana Desvios em Trânsito, de graça, na avenida Paulista (MASP), nas quintas (21 e 28/7), 15h.

Em Clube do Fracasso, destaque da mostra, o grupo de Porto Alegre faz um tributo à imperfeição, exorcizando com humor e pitadas de filosofia desilusões comuns à humanidade. Para lançar um olhar terno sobre as imperfeições, a encenação funciona de acordo com a lógica de um jogo, são embaralhados os personagens e os fatos. Chamando-se pelos nomes verdadeiros, os intérpretes compartilham histórias reais (próprias ou não): a decepção do primeiro amor; um papelão ridículo; e sonhos secretos. A dramaturgia (prêmio Açorianos 2010 – da Prefeitura de Porto Alegre) costura os depoimentos com citações,   Poema em Linha Reta, de Fernando Pessoa (Álvaro de Campos) – “Nunca conheci quem tivesse levado porrada”, de Samuel Beckett (“Fracasse outra vez. Fracasse Melhor”) e Heiner Müller engrossam o roteiro concebido pela diretora com o elenco em sala de ensaio.

Trata-se do primeiro espetáculo com texto próprio e uso de projeções de imagens com elementos da linguagem usual do grupo: música ao vivo e humor. Os vídeos levam à cena trechos de filmes antigos, fotos de pessoas públicas, palavras e entrevistas (remetendo à linguagem documental).

 A obra é a primeira parte da Trilogia Festiva sobre zonas obscuras do ser humano, como o fracasso, a morte e o caos, negociando com a dor de forma muito leve. A incursão da Cia. Rústica pela fragilidade humana é feita com humor. “A interpretação humanista busca a cumplicidade com o público. A fisicalidade é valorizada com tom íntimo e musicalidade”, diz a diretora Patrícia Fagundes. A preparação corporal e as composições coreográficas são de Cibele Sastre.Parceira da companhia em outros trabalhos, a musicista Simone Rasslan assina a trilha sonora original, com oito composições próprias e algumas vinhetas clássicas da música popular: de música popular. Soma ainda seis de repertório popular, como A Carta (Aldo Cabral/Cícero Nunes). Transitando entre blues, samba, pop e balada, parte da trilha é executada ao vivo pelos atores. Eles tocam teclado, gaita e percussão em várias execuções ao vivo. “O repertório foi desenvolvido de acordo com a necessidade da cena e traz a sonoridade da música afro-americana (blues mais antigos).  Para que a trilha ao vivo pudesse ficar firme foi necessário fazer um laboratório musical com o grupo concomitante ao processo de criação da trilha”, diz Simone Rasslan. Com cortinas vermelhas, a cenografia de Álvaro Villaverde sugere a ambientação de clube kitsch, apoiada na iluminação de Cláudia de Bem. Para reforçar o toque nonsense à encenação, alguns figurinos multicoloridos remetem a diferentes figuras –  Elvis Presley (Lisandro Bellotto); Supergirl (Marina Mendo); boxeador (Heinz Limaverde); bailarina (Francisco de los Santos); e astronauta (Priscilla Colombi).

Após a encenação da comédia, nas noites de sábado, a Cia Rústica apresenta o bordel- Cabaret da Glória abre suas portas para mais uma noite de deleite e diversão e fantasia. Todos desejam Gloria, mas ela não se prende a ninguém, fugidia e brilhante. Gloria é uma estrela, mas em seu cabaret ela não está sozinha: além dos meninas e meninos da casa, vários convidados iluminarão o encontro. Música, dança, jogos, shows, histórias, para atravessar o escuro da noite. Vedetes, cantores, atrizes, palhaços, dançarinas, músicos, andarilhos, damas da noite, rainhas do carnaval, artistas de todos os tipos transitam por essa casa de prazeres e tormentos. O que você faria para ter Gloria? “Nossa maneira de fazer arte passa pelo humor, o ridículo é transgressor, o fracasso humaniza. Comédia é uma forma contundente de criticar o mundo”, fala a diretora. O mais recente espetáculo de variedades, dando continuidade à investigação de importantes fontes de teatralidade da cena contemporânea. Com os atores da cia e vários convidados especiais, música ao vivo e uma miscelânea de atrações. Venha conhecer a Gloria!

Além do Clube do Fracasso e do Cabaret da Glória que acontecem no espaço Parlapatões a Cia Rústica invade a Av Paulista ( est.MASP) com a intervenção urbana Desvios em Trânsito(Prêmio Funarte Artes Cênicas na Rua).O projeto realizado em Porto Alegre em 2010 propõe ações performativas que se integram na pulsação do movimento urbano,  corpos estranhos,  desvios que podem gerar transformações de percepção, traçando linhas de conexão entre o ordinário e o extraordinário. A cada intervenção, durante noventa minutos, nove atores se deslocam em um território determinado desenvolvendo ações simultâneas, sempre em trânsito, sem fixar um espaço e estabelecer uma relação permanente ator-espectador. A dinâmica de movimento segue o ritmo da cidade: velocidade e pausa.

 Cia. Rústica em São Paulo

 Clube do Fracasso. Temporada: 23 a 31 de julho. Apresentações: sábado, 21h, e domingo, 20h. Espaço Parlapatões. Praça Franklin Rosevelt, 158, Centro (metrô estações Anhangabaú e República). Telefone (11) 3258-4449 e site (www2.uol.com.br/parlapatões/espaco). 96 lugares (3 para deficientes e 2 para obesos). Acessibilidade para portadores de deficiência física. Ar condicionado. Ingresso: R$30. 50% estudantes, idosos com mais de 65 anos, aposentados, professores da rede pública de ensino e classe teatral. Horário de funcionamento da bilheteria: 3ª a domingo, das 16h às 22h. Aceita cheque e cartão de débito e crédito (Visa, Visaeletron, Mastercard, American Express e Redeshop). Vendas pelo telefone (11) 4003-1212 ou pelo site http://www.ingressorapido.com.br . Estacionamento conveniado, rua Nestor Pestana, 129. R$?

Duração: 85 minutos           Indicação etária: 12 anos

 Cabaret da Glória. Duas apresentações: 23 e 30 de julho (sábados), 24h.  Parlapatões. Ingresso: R$30. 50% estudantes, idosos com mais de 65 anos, aposentados, professores da rede pública de ensino e classe teatral.

Duração: 75 minutos           Indicação etária: 12 anos

Desvios em Trânsito. Duas apresentações: 21 e 28 de julho (quintas), 15h. Avenida Paulista(est MASP) Grátis.

Duração: 60 minutos Indicação etária: livre

Anúncios

Sobre ciarustica

Companhia de Teatro.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s