projeto trânsitos

A cidade não se faz só de ruas, anúncios, sinais, esquinas e muros, é também um espaço de memória, relação e convívio. Existe uma arquitetura sentimental, uma cartografia urbana subjetiva marcada no concreto e oculta na velocidade. Essa arquitetura invisível é feita de redes de relações; a cidade é um espaço compartilhado com o outro. No entanto, o espaço público é um lugar em constante ameaça, se entendemos público como esse conjunto de redes de participação e autonomia que conformam o território “de todos”, na diversidade dos seus aspectos sensíveis. Buscando diálogos com esses espaços possíveis, a arte atual manifesta o desejo poético e político de propor contribuições para futuros renovados que permitam que o senso de coletividade exerça-se na cidade, através de uma religação afetiva com os espaços degradados ou abandonados, com o que foi expulso ou esquecido na afirmação das capitais. Nesse contexto, multiplicam-se propostas relacionais, que se afirmam mais como processo do que resultado cristalizado, buscando inventar realidades possíveis, conjugando ética e estética no necessário exercício de encontro com o outro.

projeto Trânsitos busca novas experiências de intercâmbio e relação com o espaço urbano, com o público e entre a própria equipe criativa; articulando estratégias de resistência frente à banalização promovida pela indústria cultural.

A primeira manifesta – ação do projeto aconteceu pela primeira vez em 2010 com Desvios Em Trânsito, Prêmio FUNARTE Artes Cênicas na Rua 2009, uma intervenção de 90 minutos no centro de Porto Alegre. O projeto propõe ações performativas que se integram na pulsação do movimento urbano, como corpos estranhos, como desvios que podem gerar transformações de percepção, traçando linhas de conexão entre o ordinário e o extraordinário. Os atores se deslocam pelo território determinado desenvolvendo ações simultâneas. Estão sempre em trânsito, evitando determinar um espaço e uma relação fixa de ator-espectador; não se trata de um espetáculo de rua que busca instaurar um círculo permanente. A dinâmica de movimento segue o ritmo da cidade: velocidade e pausa.. O projeto foi realizado em Porto Alegre em abril-maio de 2010 e 2012. Em São Paulo em julho de 2011. A oficina Desvios Urbanos que culmina com a criação de intervenções e desvios no centro das cidades onde acontece, realizou-se em Goiânia no Festival de Teatro Brasileiro – Cena Gaúcha, em Brasília e em Curitiba na Mostra Cena Breve Curitiba/ outubro de 2012.

A próxima intervenção do Projeto Trânsitos está prevista para outubro/novembro 2013. Cidade Proibida, também contemplado pelo Prêmio FUNARTE Artes Cênicas na Rua  2012, propõe a realização de cinco intervenções cênicas em locais públicos que tornam-se proibidos durante a noite, perante a ameaça da violência potencial. Em uma composição afetiva com a cidade,  propomos o resgate poético-social desses espaços através de ações artísticas. Inspirado em formas de convívio como saraus, serenatas, cabarés artísticos, piqueniques e ceias noturnas, o evento comporá uma estrutura de encontro cênico ao redor de uma longa mesa, incluindo música ao vivo, circo, dança, teatro e comida – o ato de comer juntos é um ato de comunhão.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s