Usina Rústica

15235829_1644904435535700_1914908949332614387_oOFICINA SHAKESPEARE & HIP HOP
Toda arte é colaboração e se entrega à mistura, à mixagem. Vem aí, cheio de vontade, esse projeto de vários encontros, cruzamentos e possibilidades. Um projeto piloto que poderá ter desdobramentos em outras oficinas e ações.

Imagine Shakespeare em diálogo com Hip Hop Dance no século XXI: poéticas festivas, mestiças, profanas. A partir de Hamlet e fragmentos de outras obras, o popular e polifônico Shakespeare encontra a vibração e antropofagia das danças urbanas.
Shakespeare & Hip Hop é uma oficina que propõe a composição/montagem de cenas que canibalizam texto e coreografia, em exercícios de emergência cênica para pensardançar nossos complexos e turbulentos tempos.

PARA QUEM
Artistas e estudantes de artes cênicas, música, visuais e todas as artes, que estejam movidos pelo compartilhamento de saberes, troca, fusão, como forma de ver e participar do mundo.

A OFICINA
A partir de cruzamentos metodológicos entre dança e teatro, de forma colaborativa e festiva, a oficina articula um mix entre improvisação, jogo, texto, criação e composição coreográfica, abordando conteúdos como: a palavra na cena, a teatralidade de Shakespeare ontem e hoje, jogos do corpo no espaço/tempo, trânsitos entre ator e personagem, musicalidade cênica, corporeidade e palavra, movimento coletivo/individual, técnicas de hip hop dance. Ao final, será montada uma criação com os alunos participantes a ser apresentada ao público.

OS PROFESSORES
Patrícia Fagundes: Encenadora, diretora da Cia Rústica de Teatro e professora do Departamento de Arte Dramática e do Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da UFRGS. Entre 2004 e 2008, desenvolveu o Projeto Shakespeare, onde dirigiu três espetáculos de destaque na cena gaúcha: Macbeth, Sonho de Uma Noite de Verão e A Megera Domada. Mestre em Direção Teatral pela Middlesex University de Londres, com dissertação sobre Shakespeare. Doutora em Ciências do Espetáculo pela Universidade Carlos III de Madrid, com a tese A Ética da Festividade na Criação Cênica. Depois de vários espetáculos com dramaturgia autoral, Patricia articula novos encontros antropofágicos com Shakespeare.

Marco Rodrigues: Dançarino, professor, coreógrafo e diretor do Grupo My House. Apaixonado por Hip Hop Dance e House Dance. Marco possui um vício incurável: atividade física. Por isso, formou-se em Educação Física, ocupando-se em preparar também fisicamente bailarinos de diversas áreas. Marco ainda realizou duas especializações: uma em Dança e outra em Gestão Cultural. Atualmente é mestrando no Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da UFRGS.

De 16 a 28 de janeiro de 2017 – 17 as 20.30.
Carga horária de 40 horas (incluindo a apresentação pública)
Local: Usina do Gasômetro, sala 503
Inscrições a partir do dia 5 de dezembro (até dia 15, tem desconto!)

Vagas limitadas! Informações sobre a forma de inscrição e pagamento através do e-mail: shakeshiphop@gmail.com

A programação da Usina Rústica continua!

Dias 28 e 29 a Cia Rústica apresenta mais um cabaré. Dessa vez o tema é O Amor Partido. As apresentações serão na sexta e sábado ás 20h.

roberta

No dia 21/10 a sala recebe Suspiro espetáculo de danças urbanas, projeto concebido por Jackson Brum e com direção de Marco Rodrigues.

14680494_869180773216328_9008112032754814835_n

No dia 02 de setembro a Usina Rústica abriu as portas para o show Transvolutivo de Madblush.

transvolutivo

 

 

 

 

 

 

 
Todas as terças e quintas acontece a Oficina de Montagem Corpo – Palavra – Memória.
A oficina sobre conceitos da Cia Rústica terá como resultado de finalização um espetáculo que acontecerá nos dias 02, 03 e 04 de dezembro.

oficina_12-08-20162

 

 

 

Usina Rústica no Sul21
Veja a matéria sobre  a programação da Cia Rústica na sala 503 da Usina do Gasômetro.

Clicando aqui!
20160623-cabaredarustica_foto_denison_fagundes_dullius1

 

 

 

 

 

 

Rústica na Usina

Pela primeira vez, a Cia Rústica ocupa um espaço no Projeto Usina das Artes, tendo como convidado o grupo Pretago. A ideia é criar uma zona autônoma temporária de criação, encontro e experiência, compartilhada por vários artistas. Cabarés, performances, workshops, leituras, mostra de processo, saraus, apresentações, oficinas: ações artísticas múltiplas que afirmam possibilidades de diálogos e explorações (resistindo em um espaço cultural que parece ameaçado como tantos outros, cercado de tapumes e cercas).

Uma das atividades permanentes será o Cabaré da Rústica, que acontecerá a cada dois meses.

E o  primeiro Cabaré da Rústica será uma celebração do que nos acusam: vagabundagem!

Vagabundos. Errantes. Libertinas e libertárias. Vagabundas. Andarilhos. Estado de vida que contraria a lógica de produção do capital. A lógica do trabalho lógico.

Nós artistas, portanto vagabundos, vagabundas, vadias e vadios, nos reunimos para interromper o tempo cotidiano das coisas e celebrar a possibilidade da arte nos turbulentos tempos em que vivemos.  Com humor, crítica, poesia, música, corpo, desafios à caretice, e muita vagabundagem.

Filosofia e dança do ventre. Bambolê e poesia. Música e teoria. Guitarra e dicionário. Percussão e palavreado. Dança e manifesto. Vídeo e salto alto.

Direção geral de Patricia Fagundes. Com Ander Belotto, Di Nardi, Gabriela Chultz, Mirna Spritzer, Lucca Simas, Priscilla Colombi, Roberta Alfaya, Rodolfo Ruscheinsky, e convidados especiais.

Dia 1 de julho, sexta feira, as 19h.

13507097_1446745388684940_8304582455922999877_n

 

 

Anúncios